Infecções Sexualmente Transmissíveis

A vigilância epidemiológica das Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), HIV/Aids, Hepatites Virais e Sífilis tem por objetivo realizar o monitoramento e a análise dos dados epidemiológicos para em conjunto com a assistência atuar nas ações de prevenção. Além disso, a coordenação busca definir estratégias para a implantação dos testes rápidos de Sífilis, Hepatites B e C e HIV na Atenção Primária e também propondo interfaces com outros setores da saúde e áreas afins.

 

Atividades e ações sobre IST, HIV/AIDS e Hepatites Virais

Vigilância Epidemiológica

O texto abaixo apresenta as ações e as análises sobre as Infecção Sexualmente Transmissíveis (IST), HIV/AIDS e Hepatites Virais no estado de Minas Gerias, até a data de julho de 2018.

  • Bancos de dados: monitorar, analisar, propor correções de inconsistências e capacitações para preenchimento das fichas de investigação.
    1. HIV/AIDS
    2. Gestante HIV+
    3. Criança Exposta
    4. Criança HIV/AIDS
    5. Hepatites Virais (A, B, C, D, E)
    6. Sífilis Adquirida
    7. Sífilis em Gestante
    8. Sífilis Congênita
  • Bancos de dados de Monitoramento do Departamento de IST/AIDS para alimentar e monitorar a assistência:
    1. SICLOM – solicitação e distribuição de medicamentos, preservativos e gel lubrificante
    2. SIMC- busca ativa de usuários HIV com abandono de medicação, carga viral detectável.
    3. SISLOGLAB- Logística de distribuição de teste rápido
    4. GAL- exames de carga viral de Hepatites
    5. SISCEL- exames de carga viral de HIV
    6. SISGENO- Acompanhamento de genotipagem em HIV
    7. Sistema de Monitoramento das Hepatites

Ações de Prevenção:

  • Proposição de ações para o enfrentamento da epidemia da Sífilis no estado de Minas Gerais:
    1. Comitê de Investigação de Transmissão Vertical (CITV)
    2. Diagnóstico regional para proposições locais
    3. Conclusão das investigações epidemiológicas com gestão de casos
    4. Fluxo de solicitação de medicamentos para tratamento da sífilis
  • Campanhas publicitárias de Hepatites Virais, HIV e Sífilis.
  • Aquisição e distribuição de preservativos masculino e gel lubrificante.
  • Distribuição de preservativos femininos
  • Acompanhar as ações de profilaxia pós exposição (PEP) em 134 serviços de urgência e emergência (biossegurança, exposição sexual consentida e violência sexual)
  • Monitoramento de indicadores (COAP e Promavs)
  • Aquisição de fórmula infantil para crianças expostas até 06 meses.
  • Hemovigilância e Retrovigilância (em conjunto com Vigilância Sanitária e Hemominas)
  • Implantação de monitoramento dos serviços de PREP e estudo do perfil populacional que utiliza a tecnologia;
  • Monitoramento e acompanhamento das maternidades do Estado em relação ao atendimento às gestantes HIV+ e crianças expostas ao HIV.

Implantação dos Testes Rápidos de Sífilis, Hepatites B e C e HIV na Atenção Primária

  • Processo de implantação do teste rápido na atenção primária em cerca de 5400 equipes de saúde da família com monitoramento dos fluxos assistenciais
  • Distribuição de teste rápido (PEP, CTA e atenção primária)
  • Parceria de capacitação com a Escola de Saúde Pública (ESP)
  • Monitoramento de indicadores estaduais (PPAG)
  • Controle de qualidade externa dos testes rápidos
  • Fornecimento de teste rápido para 167 maternidades em MG

Implantação do teste  rápido de sífilis na Atenção Primária à Saúde Municipal, MG, 2018*

Descrição

Nº de Municípios

Nº de Unidades Básicas de Saúde

Teste Rápido (TR) Implantado 186 1.550
Em Processo de Implantação 244 876
Não iniciou o Processo 423 3.024

Dados * Até 10/04/2018

Assistência

  • Monitoramento e acompanhamento de 71 serviços secundários que atendem cerca de 52.000 usuários que vivem e convivem com HIV:
    1. Garantir equipe mínima conforme Portaria Conjunta nº01/2013.
    2. Acompanhar a qualidade da assistência para atingir a meta 90-90-90 com acompanhamento de usuários detectáveis, taxas de abandono e falhas terapêuticas.
    3. Câmara Técnica de medicações de uso restrito- autorização de todos os processos de alto custo.
    4. Acompanhar a logística de distribuição de antirretrovirais de HIV.
    5. Realizar farmacovigilância de novas tecnologias medicamentosas.
    6. Acompanhar os usuários de Hepatite C que evoluíram para a cura.
    7. Monitorar a rede de laboratórios de exames de carga viral, genotipagem e sorologia juntamente com a FUNED.
    8. Monitoramento das capacitações executadas pelos serviços e consultoria técnica.

Interfaces

  • Tuberculose- programa de erradicação da tuberculose até 2030.
  • Privados de liberdade
    • Construção de fluxos e protocolos assistenciais
    • Organização das capacitações
    • Implantação de teste rápido considerando ser populações chaves.
  • Comitê LGBT
    • Membro do Comitê: proposições para construção da política de saúde, bem como trabalhar as IST nas populações prioritárias (homens que fazem sexo com homens – HSH)
    • Organização Civil e Redes de Usuários HIV+-
    • Eventos
    • Apoio municipal para celebração de parcerias
    • Prestação de contas de convênios
    • Comitê/ Violência Sexual

Em fase de implantação com a coordenação da Saúde da mulher.

 

Julho de 2018.

Boletim Epidemiológico - Ministério da Saúde

Boletim Epidemiológico Mineiro - BEM - Secretaria do Estado de Saúde de Minas Gerais

Deliberações CIB/SUS-MG
Fichas de Notificação
Formulários Laboratoriais

Manuais

Notas técnicas, Informativos e Legislação

Planilha de Acompanhamento

Centros de Testagem e Aconselhamento/Serviço de Atenção Especializada (CTA/SAE)

Protocolos